• Renato Martins

À JUSTIÇA: CALVÁRIO E CREPÚSCULO EM 360°


O crepúsculo, diferente do que muitos pensam, existe no nascer e no pôr do sol. Ele é vespertino e matutino - anuncia fim e início. Em geral, seu sentido figurado refere-se a decadência, ou, a revelação de algo obscuro por vir que fatalmente tem sentido de queda de alguém por uma verdade que se ocultava nas trevas. Tentaremos neste artigo mostrar o crepúsculo paraibano adiante em seus 360°.

Vespertino: Aqui falemos de queda pelas verdades - do pôr do sol. (1) E se o motorista que o Gaeco-RJ encontrou charlando em hotéis do rio, visitando as OSs, ter laços matrimoniais com secretária executiva de secretaria de papel central. Secretaria que possivelmente seja o pulmão da corrupção-mor do estado?; (2) O Leandro, assessor de livânia exonerado por João recentemente, tinha Green Card para a Granja Santana?; (3) E se os núcleos de "afinidade" obtidos pelos grampos do MP carioca se interligarem 'marginalmente' levando a mais descobertas que só Trauma e IPECEP?

Matutino: A alvorada surge para os que estão tendo a chance de demonstrarem que estavam certos. (1) Os jornalistas sempre processados, como os do canal de Youtube Intrometidos por exemplo. Estes em uma década tratavam de muitas das questões que hoje se delineam em provas estrondosas; (2) O secretário Luis Torres que muitas vezes falou de provas sobre corrupção endêmica da gestão PSB e hoje se vê tendo que defendê-la, no que parece ser em vão ante um MP-RJ independente e inalcançável. Como em uma tragédia grega; (3) Eu, que fiz o inverso de luís, tive tempo com as injustiças que sofri, de refletir com calma sobre cada coisa horrenda que só ouvia falar e, logo mais, teremos as provas infalíveis. Não trato isso como alegria, mas como livramento isso trato sim. E como justiça, que é algo absoluto por si. Um valor como a honestidade e retidão que supera em muito o idealismo errôneo e a lealdade que tínhamos a esse esquema que hoje sei perverso, e, que pude enxergar a tempo e denunciar na inteireza nestes últimos anos. Nem o futebol, usado politicamente, foi deixado de fora do modus operandi das fraudes e corrupção sistêmica. A iluminação por chegar, com nosso iminente retorno à Câmara Municipal, nos renovou em ideias e atitudes para servir mais e muito melhor.


Entrando no campo político, o crepúsculo traz o fortalecimento de atores como Walber Virgulino, agora com chances ampliadas, e outras caras novas podem surgir como Dr. Ítalo Kumamoto e políticos que correm por fora como Eduardo Carneiro, Manuel Júnior e Felipe Leitão. Do governo, talvez só sobreviva a esse calvário o chefe de gabinete Ronaldo Guerra, que justamente por não estar contaminado da gestão RC, ironicamente, possa vir-a-ser um neo-protagonista do "novo" governador. O fato é que começamos até mesmo a ver os cartaxos saindo do período sabático e, engrossarem o pescoço realizando seus primeiros acertos nos últimos meses, bombando nas redes sociais ao lembrarem que João Azevedo defendeu a Cruz Vermelha-RS nos debates eleitorais assim como RC as reforçou financeiramente no fim de seu governo. Críticas consistentes com seus adversários ficando calados e murchos. Há tempos eles não faziam isso. Acertaram em cheio em suas declarações por sinal, pois, João, tá sim jogando o abacaxi somente para seu antecessor, e o faz para se proteger, mas não tinha anunciado isso no pleito.

Dá o que pensar:

Muitas pessoas serão reposicionadas nessa nova atmosfera pós-efeito Sérgio Cabral. A justiça chega derrubando estátuas. Porém, como na política não existe vácuo... Desde já, cartaxistas e políticos novos consagrados nas urnas em 2018 terão que mostrar seu valor e conhecimento sobre a ciência da Gestão Pública. Que é muito mais que o êxito imediato que terão em embates ideológicos tupiniquins.