• Renato Martins

Democracia com medo da democracia? O dia 15, e mais um desabafo...

Atualizado: Mar 3


Vivi para ver o dia em que pessoas que se dizem cultas, entendidas e até liberais, tivessem medo da própria democracia. Vociferassem contra protestos, que até ontem, na liturgia destes, era a mais cabal prova de vigor de um regime democrático. Não sei se denomino esse medo repentino de um "protesto', o do próximo dia 15 especificamente, de oportunismo descabido, de histerismo interessado ou de visão conspiracionista esquizoide politiqueira. Fato é que eu, como a maioria do povo brasileiro, cremos que a democracia é sim a melhor forma de viver a civilização. Termos comunhão. Tolerância para desenvolvermos nossa condição humana em todos os seus aspectos, sejam os físicos, cognitivos e espirituais. Nos reconhecermos mais como um processo do que como uma perfeição natipronta.


Estimular algo de sistema político que possamos orgulhosamente chamar de sábio; de sabedoria; para o mundo poder caber a todos nós... Os que aceitam divisão para somar, coexistir, não para destruir. Aliás, a democracia é sempre mais o respeito e direito à minoria - a hipótese de que os ciclos podem se dar (como hoje, por exemplo, os ontem perseguidos evangélicos, quase são maioria no país, falo em termos de praticantes) - o direito sobretudo liberal, de poder ser um indivíduo pleno, inclusive. Um alguém com direito de linguagem própria sob a soberana e imperativa condição de ter que entender que o outro tem o mesmo tamanho e direito. Que perfeição! Uma espécie de competição livre, não só de mercadorias, mas, também de ideias e projetos culturais/comportamentais se dando com todos os tolerantes estando de pé e vivos no jogo. Se reconhecendo inclusive temporais. Delimitados e passíveis de mudança, incluindo até os líderes religiosos, que vez por outra tem de pedirem perdão por seus erros de decisões antes tidas como fruto de interpretações de "verdades absolutas".


Dia 15 então será mais um dia para a parte que se sente imiscuída dentro de uma democracia disfuncional poder falar sobre como essa democracia pode se aperfeiçoar. Ah! Ok, e como se faz isso? Simples, criticando o status quo sim, as instituições, os poderes, que deveriam formar a perfeição republicana esperada mas, que omissas, aparelhadas ou corrompidas, estão sim na mira de muitos que esperam de nossas autoridades o exemplo. O melhor. E, como podemos falar analiticamente de nossas instituições democráticas e republicanas? Que tal protestando quem assim quiser protestar... E quem tenha motivos para outros protestos que o façam também. Pedagogia democrática contra um conservadorismo estéril do poder tradicional que cala e esconde, quando o silêncio e a inercia é a regra.


Rogo que desse aprofundamento amadurecido, nas eleições, as pessoas saibam votar sem se deixarem levar pelas técnicas comuns de aparelhamento estatal desse gigantismo que o Brasil é. Paraíso da casta dos políticos e dos servidores públicos de alto quilate decisório, autoridades de concurso, mas que em se tornando autoridades vitalícias, por vezes, se tornam interessadas e egoicas no gozo de suas prerrogativas. Defendo portanto, que a democracia mesmo extirpe suas regras antiquadas, as modifique no fluxo de sua funcionalidade pela maioria que sabe que a minoria existe e tem esse direito.


Eu mesmo, defendo que uma sociedade na era digital pode ser melhor monitorada pelo cidadão, que por seus representantes. Na mesma forma ágil que quem assiste BBB pode fazer suas escolhas num jogo de TV. Podemos e devemos avaliar continuamente as ações de muito do que ocorre nas obras e serviços públicos. Fiscalizamos melhor do que votamos.


E que todo dia, seja um dia 15, sempre que assim todo dia tiver quem o queira fazer assim, no seu sentimento de melhoria social. Na Europa é comum ter praças por exemplo, onde ocorrem dezenas de protestos por dia. Por dia. Na França por exemplo. O berço do liberalismo filosófico e da democracia contemporânea.


Quem tem medo da democracia em sua permanente mudança? Resposta: aqueles que nela a estejam sabotando, ou, se locupletando... Somente.

54 visualizações