• Renato Martins

EXCLUSIVO: ABBC & HEMOCENTRO A SAÚDE GIRASSOL E SEUS DEPUTADOS




Nem só dos episódios novelescos entre Estela junto com sua companheira estável, a secretaria de saúde Claudia Veras e seu “rival” Hervázio, vive hoje o precário serviço da saúde estadual. Como diria Raul Seixas: “mas compreendi que além de 2 existem mais...”. Ontem o deputado Ricardo Barbosa denunciou a perseguição política e o uso indevido da máquina pública para convencimento eleitoral, sem comentários, a justiça deve agir em defesa dos servidores. O deputado socialista, no que pese estar lutando por "gestora" na seara frondosa da cruz vermelha e todo um balaio de compras sem licitação, que requer dele também, mais rigor investigativo, está correto em denunciar o que ele vê de flagrante, é seu papel. No entanto, além de 3 existem mais, tragicamente ainda mais. Na saúde não faltam deputados; pode faltar o resto.



Era uma vez uma O.S (Organização Social) que terceiriza a gestão de 3 UPAS do estado (Guarabira, Princesa Isabel e Santa Rita), e claro, vocês poderiam me perguntar qual a relação desta entidade privada com o estatal Hemocentro? Sim, existe uma relação bem próxima. Conforme os comprovantes em anexo (segue nome em destaque, nome no listão do SAGRES e contracheque na ABBC). Essa relação atende pelo nome de Luciana Gomes, a mesma, cunhada do deputado Gervasio Maia, coincidentemente socialista também, aliás, como todos nesta situação, onde cabe múltiplas formas de ação “republicana” já desnuda pelo valente e admirável deputado RB (posso chama-lo assim pois foi o meu deputado). A senhora Luciana Gomes recebe 2 vezes do mesmo lugar, no governo estadual pelo Fundo Nacional da Saúde. A enfermeira recebe como comissionada do Hemocentro, papel de diretora geral inclusive(?), a quantia de 1800 reais, e, impressionantemente, também é diretora na ABBC, a dita O.S, que deputados devem ou deveriam olhar com muito zelo suas operações, a diligente enfermeira, recebe cerca de 12 mil reais como Superintendente de Projetos (quantos seriam?).



Dois trabalhos 'administrativos' de tempo integral, diretora dupla, pessoa una, que inclusive "viaja" muito, a se tirar por suas diárias - tudo do estado, sob o olhar e aquiescência das autoridades fiscalizadoras- “importantes” por sinal. Sem mais palavras... Sou a favor que os enfermeiros de batente, enfermeiros assistênciais, de sangue humano e não azul, sem o mal do familismo socialista ou de qualquer lado que for, recebam tanto quanto isso. Merecem igualmente ou mais! A saúde do estado precisa de um choque geral de gestão...



406 visualizações