• Renato Martins

NOVIDADES CALVÁRIO: UM AMIG@ DO EXTERIOR NOS TRAZ INFORMES ALARMANTES


Primeiro, sobre nossa fonte. Na verdade El@ não pede sigilo. Eu por saber que tem familiares aqui, opto por mim mesmo os preservá-los. O cenário tá turvo demais. Sei da coragem Del@. Mas El@ tá longe. Os seus próximos não.


El@ foi de projeto que tinha boa mídia (até mais mídia do que gasto com atendidos efetivamente – muito vistoso para guias eleitorais por sinal), hoje vence fora do país na europa. E de lá, acompanhando as coisas daqui, tomou a iniciativa de ligar para alguns de seus amigos fornecedores da educação do estado. Como normal, alguns não aprofundaram o tema na ligação, já outros, fizeram questão de relatar tudo que já colaboraram com as investigações.

Eis um resumo que farei por partes, sendo essa a primeira:


1-Fornecedor de campanha, da parte dos que receberam dinheiro da propina para quitar seus serviços executados no pleito; disse que Ivan depois de entregar dinheiro para ele, ainda foi e botou a mão na bolsa de dinheiro repassada, pegando um naco aleatório de dinheiro do empresário e o botando na calça. O empresário se revoltou, mas recebeu um leve sorriso de resposta. Seria isso a comissão da comissão? Propina da propina? Imediatamente este empresário recebeu um aceno para ser convocado como testemunha por mais este relato detalhado do modus operandi das coisas.



2-A amostragem feita pelo informante nas ligações para os fornecedores de livros e laboratórios e reformas de escolas, foi de exatos 100% dos casos, que elas já foram contatadas pelos órgãos investigadores. Algumas se abriram para ele, outras nem tanto. Mas todas alegaram que agiram de “coração aberto” para com o GAECO. Em um caso especificamente, uma das empresas investigadas com sede aqui, disse que um membro da ORCRIM Girassol graduado, o visitou para cobrar a propina do contrato, e no ato disse para o mesmo que parte do dinheiro seria para repassar para seus protetores, dando a entender que envolveria gente poderosa, sugestionando para acima deles. Isso na frente deste famoso empresário repassador de grana pública. Tudo isto sem vínculo algum com campanha eleitoral. A pessoa que fez isso com este fornecedor é bem conhecida já da Calvário. Receberá mais essa denúncia. Terá que falar para quem agia. Não terá saída.

3- Os fornecedores da educação suspeitos, pela amostragem dele, já falaram muito, e mais, fizeram isso há alguns meses atrás. Alguns ainda em março deste ano. Falamos aqui de 7 meses atrás. O que nos dá o entendimento que nada foi dito a toa no despacho das autoridades (MPPB e Des. Ricardo vital). Na verdade muito foi escondido ou contido nas peças. Talvez para mais diligências sobre as narrativas, ou para interligação delas. Já que o caminho dos ratos eles já possuem em algum nível. Em um nível bem alto no entender da fonte a partir de suas ligações.

4- A lentidão agora será modificada pela rapidez. Já que muito foi maturado e pelos personagens que as empresas citaram, alguns não sendo novidade, outros sendo. Penso que o desfecho será bem antes do que se imagina já que boa parte dos fornecedores identificados pelos malotes e delações, não esperaram mecanismo de colaboração nenhuma. Não aguardaram o constrangimento do mandado de busca e apreensão via ordem judicial. Contaram e contaram muito. A temporada das verdades chegou.


Falando de coisas boas:



1-Simbólico foi o gesto positivo do deputado Eduardo Carneiro, de viajar com recursos próprios para a Califórnia nos EUA, e defender o empreendedorismo estadual. Tentar trazer investidores e emprego para a capital e estado. Destacando em conferências seletas, produtos como nosso artesanato, nossos minérios como a turmalina, turismo, eventos como o Extremotec, produção científica e cinematográfica. Todas essas potencialidades de nossa gente tiveram nele um porta-voz das coisas boas da paraibanidade. Tão abalada com essas notícias de vampiragem oficial da ORCRIM Girassol.



2- Significativo também é ver como é atuante o PROCON-JP, dirigido pelo capaz Helton, que divulga tabela com os preços de carne, frango e hortifrutigranjeiros. Produtos essenciais que não podem ser sujeitos a cartéis que poderiam inflacionar falsamente seus preços. Essa tarefa sendo feita corretamente ajuda e muito o todo da sociedade. Já pensou uma pessoa estilo ORCRIM, se macumunando com empresas, deixando a coisa correr num período de crise como esse... O PROCON de Helton dá o exemplo que o mercado em livre concorrência é o caminho para a qualidade com preços baixos. Bem diferente das licitações públicas armadas que traz sobrepreços e falta de qualidade para os serviços. Em geral, dirigido aos mais humildes.

Mais informações acessar: http://proconjp.pb.gov.br/?p=22278




Por fim...

DÁ O QUE PENSAR:


O socialismo deste tipo da Calvário parece que serve bem ao patrimonialismo, ao nepotismo (vide Estela e os seus, em postos chaves a partir da ex-secretaria da saúde, até a graciosa Cruz Vermelha RS e PB), ao estado grande que ajuda seus líderes a enriquecerem inventando parcos e insuficientes projetos sociais sem qualidade. Por isso, tão nem aí para livros bons, laboratórios bons, querem mesmo é roubar. Por outro lado, o livre mercado, se em pleno funcionamento, livre de impostos e arrumadinhos regulatórios estatais, me parece muito mais capaz de gerar divisão real de riquezas, além de muito mais justiça social. Meritocracia faria os serviços públicos serem baratos e melhores. A cleptocracia da ORCRIM Girassol é um bom exemplo do inverso disso; O desempenho dos nossos alunos é pífio (ver IDEB) e o analfabetismo funcional é a regra. A saúde dispensa comentários. Só propaganda. Temos que reagir. Enxergar as coisas melhor. É possível! Sei por meu exemplo que é possível.

291 visualizações