• Renato Martins

O EMPREENDER DE 2013 ATÉ HOJE QUER FALAR II: NEM TODA MÍDIA APROFUNDA O CASO.



1- O casal Amanda e Ricardo Coutinho hoje estão impedidos de agirem pelo Empreender, por força de decisão liminar da I vara da fazenda. Em pauta aí, o ano gestado de 2018. No entanto não se perde de vista nas palavras da juíza e do autor da ação, o advogado Jonatas de sousa, toda a análise do Empreender e suas possíveis irregularidades e inobservâncias legais de 2013 até hoje.




2- Antes do casal, a frente do Empreender, havia a dupla RC e o hoje vereador Tibério Limeira, também na época acumulando 2 cargos, prática de hoje da senhora Amanda. Sobre a condução não faltam, duvidas, perguntas e certezas de equívocos(já auditadas pelo TRE por exemplo). Entre as dúvidas estão a possibilidade de gafanhotagem com uso político ou não, distribuição para servidores e codificados sem os mesmos não terem empreendimento algum, empréstimos ás pessoas beneficiadas pelo bolsa família sem comércio por montar, e o de sempre, entrega de cheques para políticos e líderes sem provas e acompanhamento algum de negócio existente. Em geral - uso para cooptação política desviando a finalidade do projeto. Tudo alimentado por dificuldade na entrega de dados para fiscalizações e dificuldades para permitir a apuração dos beneficiados e os critérios dos benefícios.

3- Muito pode ser esclarecido nos pedidos de busca e apreensões em pauta para os juízes decidirem. Aqui destaco dois recentes e de domínio público: O da Ação Popular de um aposentado que pede a buscas das ata do conselho da CEHAP pelo qual João Azevedo recebia Jetom mesmo depois de sair do governo; e a segunda que vimos hoje, que pede a busca de todos os processos do Empreender 2018 para averiguar sua consistência técnica, como os planos de negócios dos mesmos por exemplo. Este último a juíza diz não ter necessidade preliminar por enquanto. Por enquanto, nesta etapa, esta lá em sua decisão. A questão que fica é quem pode falar disso a não ser os que não estão nisso. Políticos? Bem, o fato é que descobrimos também semana passada que parte dos profissionais da imprensa e comunicadores em geral, que recebem verba publicitária do estado, pagam parcela do empréstimo feito no programa (versão mídia) de forma consignada a partir deste recebimento mensal. Adivinhem então suas opiniões e omissões sobre tudo isso.

4- O desenrolar desta ação nas cortes em que se encontram (TRE e TJ no momento) tende a fazer muita justiça. Dançar muitas cadeiras. Corrigir distorções múltiplas e esclarecer todo um Modus Operandi que desnuda um agir personalista sem zelo pelo dinheiro público. Será o dia para vermos como se faz um programa voltado para aquecer a economia, só "aquecer" um grupo político para ter pessoas e mídia conivente até nas independentes redes sociais. Aguardo pacientemente o dia da justiça. Que será também o dia da verdade. Verdades!

111 visualizações