• Renato Martins

O QUE VI E O QUE NÃO VI NESSA ELEIÇÃO:.

Atualizado: 11 de Out de 2018



1- Sobre governo do estado: da omissão e lentidão de órgãos como o MP, MPF, TCE, TRE e análogos, isso todos já víamos. Vimos. Anos a fio em inquéritos sem fim... Mas a democracia ainda assim teria o antídoto para tudo isso moroso ou cooptado em partes. Seria o campo legítimo da política. O debate livre. Logo; se os atores interessados preferiram serem humilhados pelo sofisma dos maliciosos e passivamente aceitaram as mentiras sobre si. Não foi por falta de aviso e alternativas. Não cabe portanto mais a culpa só as polícias e etc... Cada um poderia ter feito sua parte de forma corajosa para com a verdade. E sem a verdade, a mentira tenderá a vencer sempre!

2- Neste ponto os bolsonaristas dão exemplo de coragem e enfrentamento. Digo sem entrar no mérito de gestão deste campo que poderá ser testado se vencerem. Só o tempo dirá. Mas, fato é que sem líderes intrépidos enfrentando tudo do status quo estatista, jamais se teria a vitória da pauta destes que só tinham redes sociais, e hoje, por sua impetuosidade, eles terão tempo igual na tv e etc... neste quesito o idealismo deles estão a derrubar barreiras antes pensadas intransponíveis só pela força da sociedade civil.


3- Ante tanta inércia da oposição tradicional paraibana, vejo que a eleição gloriosa de Walber Virgulino hoje é celebrada como a vitória da nova oposição. Tanto na capital como no estado. Sobre ele recai todas as expectativas de uma nova postura política administrativa renovadora de tudo que o choque de gestão pode nos dar de benefício em termos de gestão pública moderna.


4- Tenho orgulho de ter sido voluntário na coordenação de Zé. Único integralmente ficha limpa e realmente preparado. Paradoxalmente renovaria a política paraibana. Mas o republicanismo é construção, não é presente. Eu fiz minha parte. Farei sempre mais no blog, na militância, nas salas de aula, no canal de youtube que farei. Enfim... Não só aguardarei a justiça. A ajudarei sempre e em tudo...


5- Triste por Lucas de Brito não ter sido eleito. Ótimo parlamentar, liberal e conservador. Mas não tem a roupagem dos trejeitos do bolsonarismo e foi tragado pela nova liturgia... perdemos um grande deputado. Continuamos com um grande vereador. Sugiro somar forças com Walber.


6- A vitória de Felipe Leitão era esperada. Mas surpreende o tamanhão dela. Saiu de um limão que foi sua derrota para vereador e fez uma limonada. Político carismático e bem votado em JP pode ser o coringa para todos os lados que optar abraçar.


7- Pessoalmente lamento meu Deputado Federal Manoel Júnior não ter sido eleito. Foi tragado por muita destorção em acordos feitos aos cartaxos. Fora isso foi o parlamentar que mais recurso trouxe pra minha UFPB e para nossa PMJP. Em toda obra tem o esforço dele. Injustiça que terá reflexo em 2020.


8- Meu estadual João Almeida quase foi eleito, deve assumir. Logo teremos novidades a este respeito que darão o ritmo da eleição 2020 na capital.


9- Cássio um grande senador, gigante em idéias. Nos últimos meses foi vítima da pusilanimidade de Romero e de Cartaxo. Entre duas coisas deste tipo ele não percebeu a prensa e não soube se sair dela. A Paraíba sentirá sua falta. Logo ouviremos isso.


10- Parabenizar ao novo governador João Azevedo. Torcer que ele faça o melhor por nós. Como cidadão, seu ex-correligionário e coordenador de pré-campanha a prefeito que fui em 2016, sugiro que ele a partir de agora faça por onde termos obras do estado que tenha TR's que mantenham seus preços claros como no contrato, no certame, sem aditivos multiplicadores. Da forma como um engenheiro eficiente e bom faz nas obras privadas. Obra é dinheiro de impostos. É nosso suor. A sociedade agradece. E nós precisamos de ainda mais trabalho com eficiência. Ele prometeu isso e eu vou cobrar com todas as minhas forças.


11- Julgado os deputados, senadores e governo, ainda restou o presidente. Após isso, o julgamento se voltará para as gestões municipais de prefeitos e câmaras municipais. Muito nosso blog clareará com a singular coragem a serviço da cidadania. Embora essa eleição estadual tenha apontada a clara tendência de queda do cartaxismo (falei muito sobre isso) e empinamento de um possível e aparente fácil retorno de RC à PMJP, ou, num cenário surpresa, talvez um emergente liberal-conservador como Walber, possa mudar o quadro posto.

217 visualizações