• Renato Martins

PERGUNTAS SIMPLES AO MP; TCE; STF; TRE; CGE; CGU; TJ; MPF E ETC...

1- Porque vossas excelências não olham os quantitativos comprados pela educação do estado. Ex: Ventiladores, geladeiras, laboratórios, computadores, bicicletas, carteiras, fogões entre outros. Talvez descubram horrores. Bastidores piores que os piores desvios entre coisas tombadas ou não usadas. Trata-se de milhões de reais que merecem controle pelo simples confronto real e "In loco" entre; nota fiscal - entrada no estoque - saída para as escolas. Não toleremos usos privados, já pensou se tem material desses em casas de gente de sangue azul? Seria um absurdo! Ou mesmo compras que só estão em nota...




2- Porque não julgam o caso do Empreender no TRE? Porque aceitaram tamanha morosidade na entrega de dados tão elementares do Programa?


Transparência também para quem deve cobrar transparência dos gestores públicos.


3- Por que não olham a qualidade da frota de ônibus da cidade. E se as multas que os amarelinhos dão para as empresas de ônibus infratoras de fato são cobradas ou se por acaso são "esquecidas"? Por que tão pouco tem coragem de enfrentar o monopólio do transporte coletivo precário (e esses poucos sempre saem perdendo).


4- Por que o MPF não cobra ao estado e município a lei da Declaração de Não Atendimento nos hospitais públicos. Onde todo cidadão deve ter o DIREITO de receber por escrito o motivo de não ser atendido quando buscar um serviço de saúde com a devida data prevista de seu atendimento. Por quê? Não temos o direito de termos declarações dos erros nos serviços públicos assim como temos notas fiscais e garantias das empresas privadas?


5- Por que não temos nenhuma punição e devolução de recursos em casos já apreciados pela PF, CGU ou TCE e já tidos como sobre preços ou crimes de improbidade como os casos da Lagoa, do Jampa Digital, do Viaduto do Geisel, do hospital não construído de Caçimba de Dentro dentre outros que simplesmente não tem julgamentos.


6- Porque Inquéritos Civis Públicos são abertos no MP, muitas vezes tardiamente, e ainda assim, demoram tanto para esclarecer a sociedade. Como no caso de "compra" de laboratórios, Livros, móveis, alimentos para a Granja, Radiotransmissores e até Helicóptero usado, Propinoduto que a policia sequer quis investigar, fora a antiga desapropriação do Cuiá e suas contas não abertas... Enfim... Dentre tantas coisas apuradas tão lentamente e ineficazmente.


7- Porque não averiguar o fato de todas as obras do estado serem aditivadas nos seus valores, e algumas licitações Como a das 6 escolas técnicas e outras, terem seus preços parecidos com planilhas quase iguais e construtoras que se pode perceber um movimento circular em contratos assinados com a SUPLAN. Coisa fácil de notar, que precisa de resposta para a cidadania, mas falta um órgão atuante e uma oposição real para defender a lei e a sociedade. Investigar não é culpar. Mas sim manter a lei. Simples assim.


A ausência de respostas é o tamanho do rombo que existe em nossa república

435 visualizações