• Renato Martins

QUEM É LIBÓRIO, O QUE SUA HISTÓRIA ENSINA?





Pense que ainda exista alguém que acreditava no PSB, em política com dados esquisitos, em aumento de impostos para 'honestidades', em Gestão Participativa, acreditava em poder popular e até em ombridade da alta direção dos gestores do PSB. Sim, não falo em um marciano. Esse ser existia: Era Libório Lacerda. Venham conhece-lo. Todos somos um processo, o ser humano é um fluir pró-amadurecimento e sabedoria. O gênero humano não é poste, ele o fabrica. Mas Libório talvez fosse o último idealista do PSB. Dito o que ela era, vou dizer, antes, o que ele não o é, e depois chegar no que penso ser ele... Libório não recebeu Empreender gracioso, não tem contra-cheque fantasma seja de PS, seja de codificado e nem muito menos CLT de O.S para ficar em rede social defendendo 'coisitas" e levantando bandeiras. Pasmem amig@s, ele fazia tudo isso - por pura, autêntica e sincera convicção- tinha meu respeito essa sua militância original e dedicada por opção. Sem pragmatismo, por crença convicta. O último por sinal. Muitos de seus companheiros de girassoca, os sabidos, o chamavam de ingênuo por assim ser.

Mas, um dia, Libório, que eu o apelidava de Dom quixote, por seu idealismo (quem me conhece sabe minha profunda admiração e releituras, pelo personagem de Cervantes), assíduo frequentador dos ODs e OPs da vida, vendo tanto transgredir ético dos seus líderes/ídolos, resolveu protagonizar, acreditando no "poder popular" foi procurar seu partido o PSB e se cadastrou para ser candidato a Deputado. Mas como assim? Ele um mero líder comunitário, um servidor de balançar bandeira, um cara que nem sequer recebeu o Empreender versão Militante - 'Vote em Mim', não tem nem codificação por ai... Acinte. Tome ele fora da lista dos candidatos "robustos" com excessos de tudo isso. Ora bolas, neste habitat, um popular tão "desvalorizado" merece voltar ao seu lugar de idealista sem nexo: - "ele é tao bobo que crê em nós, kkkk!" debocharam alguns sobre o ingênuo crente. Com o choque, Dom quixote se viu sem Sancho algum ao redor, nesta selva de privilegiados, a falta de apoio ao idealismo é a práxis.

Olhou para si e refletiu: - sou honesto, logo existo! Dito isso, foi para casa, reavaliou o quadro e resolveu se reconstituir. Renascer. Entrou na justiça para ser candidato. Refez escolhas e optou Zé Maranhão, o honesto como ele. Foi então ao seu encontro e simplesmente se encantou com idealismo jovial verdadeiro. Algo inato e mútuo. Revelou seu apoio nas redes. Aí, imaginem amigos, imaginem só. O que o ex-Libório do Valentina virou nas bocas das redes sociais dos Empreendedores Militantes e listados nos Codificantes da vida: Libório é um zero; é um portador de doença mental - sim isso mesmo que eu ouvi e aqui transcrevo; um sem voto e por ai vai, mencionaram até uma limitação genética que pouparei de citar aqui pelos inúmeros portadores e pais que amam acima desses preconceitos políticos oportunistas... para mim que ouvi seus relatos de decepção; só me restou lhe dar um abraço. Nada falei. Nada! Sua catarse interior já o tinha despertado! Sua estima se recuperado. Nem de Maranhão precisei falar. Ele já tinha comparado antes, história, prática e realidade. Ouviu ideias de futuro. Depois do encontro, sacudiu a poeira, deu um sorriso cândido típico dele e disse: "Eita, esse pensa igual a mim..."

Idealista. Continua tal qual. Ele não mudou. Tudo leva a crer que sua esperança e fé na humanidade nunca se abalará. Já os outros, os "expertos" da cúpula do PSB do estado, que o xingam por dever de salários públicos, é que mudaram. Ele não. Esse Dom Quixote continuará sua cruzada... Mas agora não mais contra moinhos de vento!

260 visualizações