• Renato Martins

RETA FINAL ELEITORAL: O QUE ESPERAR...




O PSB e o PV abrem fogo contra a candidatura de Zé Maranhão. Até desenho animado apócrifo inventaram. Pelo alto custo e apelação do conteúdo, bem fácil saber quem deve ter pago. Postura até certo ponto esperada, desesperada para tentar inibir que uma onda popular latente de foco na honestidade não varra essa eleição logo no primeiro turno para pavor dos maquinistas... A honestidade não cai em pesquisa nenhuma. Por sua vez, o abuso de poder e recursos na estrutura eleitoral parece não ter os efeitos de antes. Muita propaganda, pressão em servidores, beneficiados de programas, carreatas abastecidas e muitos efeitos visuais assistidos ou não por uma população sonolenta sem o devido retorno proporcional. Eficaz mesmo só as simples e diretas visitas qualificadas, que muitos servidores, mesmo em hora de trabalho fazem nos bairros de forma disciplinada - militar. Estimo que ao menos 100 mil residências foram visitadas ao menos pelo grupo mais estruturado em "exército" que é o do governo do estado e suas listas no TCE e nas ocultas OSs terceirizadoras onde não sabemos quem entra ou sai. Calculo que faço estimando em 1000 duplas visitando 10 casas por dia. Logo os números podem ser muito maiores. Fora isso, a forma, a intrigar, a estratégia parece ser a mais correta e explica esse crescimento de João Azevedo, mesmo com números controversos entre IBOPE e CORREIO, mas, que ainda assim está em patamar bem aquém do que o governismo em si historicamente alcança nos últimos dias nas eleições estaduais, sejam as derrotadas ou vitoriosas. Dito isso, me indago se o último, mais forte e subjetivo trunfo estrutural deles não tenha chegado a exaustão e ao limite neste pleito sem sucesso, como fora em outras eleições municipais onde foram derrotados(fomos estava eu lá também), e para provar ainda mais, lembro que nas viradas de RC também era no "casa a casa" que na reta final se via os dígitos acima de 40 se consolidando dia a dia (estava eu lá também e nas últimas semanas já víamos a equiparação por cima: nas bordas dos 50%). Neste processo atual, faltam 11 dias e nunca, nem na mais delirante pesquisa de parceiro de OS do estado o governo chega aos 35%. Formando um cenário muito promissor para a oposição. Sobretudo para Zé hoje com grupo e leque de apoios restrito ao povo, e que num eventual segundo turno pode estourar de líderes ao lado. Por fim, observamos que o cansaço da população, nem o porta a porta, o casa a casa "qualificado" resolve mais. O TRE deve no entanto ter o cuidado com os limites da visita republicana e identificar as que possivelmente não o sejam. A democracia não pode ser vítima de cinismo como o caixa público é.

130 visualizações