• Renato Martins

TROCO AO TCE: RODOLFO PINHEIRO SUA CRUZ E SEU VIGOR POR JUSTIÇA.

Atualizado: 10 de Jan de 2019



O empresário Rodolfo Pinheiro vem publicamente carregando uma cruz há anos. A cruz da luta contra o mecanismo. Pense numa luta dura, tanto quanto imprescindível para o país e nosso estado; então... Sem reprisar toda essa novela de absurdos com o erário público (sempre ele) que dura uma década. Compartilho com o leitor algumas questões pinçadas da sua ótima entrevista dada ontem ao programa Intrometidos no Youtube, que recomendo assistirem. Vamos lá:

1- O TCE, em 1 dos 8 processos que correm lá há muitos anos contra os contratos da Desk, agora no início de dezembro de 2018, inocentou o gestor licitante da época, pela PMJP, o então secretário de administração, Gilberto Carneiro, hoje procurador do estado. No dito julgamento, um dos conselheiros até fez "piada", alegando que o denunciante levou essas denúncias até mesmo à arquidiocese.... Esquisito esse argumento, vindo de um órgão de controle que deveria estimular a denúncia. Equívocos deste tipo lembram a fórmula típica dos autoritarismos quando acuado na tentativa de ocultar algo. A primeira forma de auto-proteção dos mecanismos, em geral, é a de ridicularizar a denúncia começando primeiro com o denunciante. Esta fórmula, quando usada por julgadores da justiça em qualquer termo, é por demais questionável, pois a verdade independe da fonte, ela tem um valor em si mesma. Mas, no caso em questão, o denunciante é pessoa proba com passado e presente irretocável, e, talvez por isso, não se calou ante ao que lhe ofendeu, vejamos então suas respostas;

2- O denunciante alegou que anos atrás o próprio conselheiro do TCE, Nominando Diniz, lhe orientou a não fazer a denúncia de forma direta, por se tratar de coisa que merece preservação e muito cuidado para si... O que o conselheiro quis dizer com isso? o que ele sabe em termos de risco que Rodolfo não saberia? Rodolfo negou-se a seguir este conselho e vem sendo o próprio protagonista das descobertas que ele narrou;

3- Rodolfo Pinheiro, empresário que se prejudicou com as vitórias suspeitas da DESK, portanto parte legítima nos questionamentos, afirmou que existem muitas condenações a essa empresa no país, seja na justiça ou em outros TCEs. Na Paraíba falta julgarem episódios singulares, como uma nota fiscal atestada em 2012, de 4 toneladas de carteira escolar, que saiu do RJ num veículo placa Fiat, e que chegou no almoxarifado do governo do estado no mesmo dia de sua partida. De quebra, fez essa suposta entrega a jato no Fiat, sem passar em nenhum posto fiscal. Sem carimbo algum portanto. Outro episódio reportado pelo denunciante, diz respeito ao leilão em 2014 tocado pela SEAD-PB, da secretaria Livânia Farias, que também se ocupa de suas cruzes vermelhas neste instante, como alega o GAECO do RJ. O leilão teria acontecido dois anos após o recebimento das carteiras escolares que tinham 5 anos de garantia e, por isso teriam sido mais dispendiosas ao erário quando em seu processo de compra em 2011. Ao final, o estado vendeu as carteiras compradas por 200 reais, por 10 centavos. Tudo isso, de acordo com Rodolfo, tramitando lentamente lá no TCE nos sete processos restantes com farta documentação. Bem verdade que o episódio do leilão das carteiras é de domínio público antes mesmo da denúncia institucional de Rodolfo.

4- Uma última novidade dita no programa, foi a de que o ex-secretário de esportes do estado, Fábio Maia, ciente da baixa qualidade do material vendido ao estado, no caso, assentos para os estádios de futebol. Enviou oficio ao fornecedor reclamando da qualidade do material e, exigindo a entrega correta do produto. Ao mesmo tempo que demonstrando sua idoneidade, Fábio revela que algo na compra não deu certo, de forma clara. Compra essa que a SEJEL tocada por Fábio, não seria o responsável. Sendo portanto, mais uma prova, desta vez interna corporis, de que algo não está a cheirar bem nesta relação de consumo tão cara.

5- Por fim, o mais importante! Rodolfo em sua cruzada, analisando as falas do julgamento do TCE, demonstrou não ter esmorecido em nada. Lembrou do processo que corre na justiça, causado pelos indícios de dois documentos falsificados entregues pela defesa de Gilberto ao TCE, ironicamente, neste mesmo processo que o TCE já o inocentou. Esta é portanto mais uma denúncia dele acatada pelo MP, e hoje também pela justiça, ao aguardar seu tempo ante provas no mínimo, difíceis de serem contestadas racionalmente com o olhar da honestidade. O curioso neste imbróglio é o fato de que Rodolfo vem tendo sempre razão para as auditorias do TCE, para O MP de contas, e agora, neste caso das 2 provas de defesa potencialmente forjadas, envolvendo documentos sem confirmação do estado do Piauí e da PMJP, é também o MP a favor da ação cidadã do empresário Rodolfo Pinheiro. Parafraseando o dizer dos que querem um Brasil melhor; a luta de Rodolfo é uma luta exemplo.... Não se trata mais de uma luta individual. Os valores da boa sociedade que buscamos estão ao lado dele. Outros valores, são outros valores.... Viva aos bons combatentes!

182 visualizações