• Renato Martins

ZÉ MARANHÃO: A PEDRA LAVRADA QUE DIVIDIU O VELHO E O NOVO.

Ontem a cidade de Pedra Lavrada, seridó paraibano, que teve o São João Antecipado com início na sexta – feira (08) se tornou a capital paraibana da pré-eleição. Sábado dia (09), os pré-candidatos Zé Maranhão e Lucélio lá estiveram. E os que talvez não foram, seja por que não vi, também não tiveram sua falta sentida pela população. E olhe que conversei com muitos populares.

Podemos resumir a noite de ontem, sábado (09), entre o Zé do Povo, o Zé das águas de Pedra Lavrada, um Zé abraçado andando como um ímã humano na Praça, leve, dançando, Zelfiando, uma política antiga, o velho chamego eleitoral, mas que paradoxalmente, pela rejeição da população para com a politicagem, que hoje só fecha caras e chinga políticos, parece bem nova. Temos então um novo fenômeno no estado. A maioria dos políticos que estão se dizendo novos andam se escondendo. Omitem-se em subir palcos, quando muito ficam nas discretas mesas opulentas com sorrisos constrangidos pela falta de empatia com o tão desejado amor do "povão". Aí constatamos o curioso, que é uma safra de uma dita nova política que já está nascendo velha


O candidato Lucélio, que por lá tentava estar, ora meio escondido, ou acanhado ainda, talvez, andava esgueirado de um lado. Do outro os representantes governistas numa mesa tão distante do povo quanto o sofisticado restaurante Gulliver Mar é distante do Almeidão ou da feira do Grotão em João Pessoa.

Mas estamos em Pedra Lavrada e lá a política assim como no Brasil, também está confusa, o velho parece novo e o novo, um velho com a data de validade já vencida de fábrica. Já na origem.



115 visualizações